ErótiKo

Livro de visitas


Dossier:Gil Vicente

Guerra no ...

Terrorismo

YouTube





Todas as Koisas

Especial IPVC

Painel controlo
  • Email:
  • Palavra-passe:
  • Lembrar dados
  • Ir administraçào


RTP1
Últimas Galeria
Mais Links
Porque esperas?
Sites Amigos
EuroMilhões



   
   
   
   
   
   

Procura
Na nudez das coisas!
Sondagens
Koisas são?
Ideias?
Opiniões?
Pontos de vista?
Site modelo?
Molho de Grelos?
Anedotas
- Quantos anos tens, Susana?
- Oito.
- E que queres fazer quando fores grande como a tua mãe?
- Uma boa dieta.
Um sonho

Exposição dos artistas do BlogTok
quando?

 

images_1.jpg

Brevemente

Visita:
Klubs
Sistemas
Jumento

NATURALMENTE RIDÍCULOS E PERIGOSOS - 18Out2018 11:59:00


Confesso que não um grande admirador do Dr. Carlos Alexandre, não sei bem porquê a personagem irrita-me, nada dele me parece brilhante, as suas declarações encenadas não têm grande conteúdo que ultrapasse as fronteiras do se ego. Mas envergonha-me uma justiça onde vejo um juiz a fazer queixinhas aos jornalistas, deixando transparecer que queria um determinado processo para ele, como se só ele estivesse à sua altura.

Parece que de um momento para o outro todos são defensores do juiz natural e receio que alguém se lembre de pedir que no caso Sócrates se volte a iniciar o processo, convidando a FIFA a realizar o sorteio com bolinhas, cabendo ao Messi tapar os olhos e recolher a bolinha. Mas se o sorteio não resultar na escolha do carlos Alexandre teremos de verificar se haviam dois nomes, se as bolinhas eram rigorosamente iguais, se o vidro da tombola não tinha alguma rugosidade e se o Messi não foi trocado por algum sósia ilusionista, o que implica conferir o DNA ou mesmo os sinais na pilinha.

Tudo isto é ridículo porque enquanto o Dr. Carlos Alexandre ia construindo a sua imagem de justiceiro da Nação num Ticão em que era o único juiz, ninguém se lembrou de sorteios ou do juiz natural. Por outras palavras, enquanto o juiz era naturalmente o Dr. Carlos Alexandre ninguém se preocupou com os sorteios ou com o número de processo que o juiz natural tinha. Apesar das razões de queixas de Sócrates ninguém e muito menos a associação dos juízes veio em defesa de Sócrates, com tal arguido os bons princípios podia ir para as urtigas dos campos de Mação.

Mas quando o mesmo arguido teve direito ao sorteio para a escolha do juiz natural já surgiram dúvidas, o mesmo juiz natural de todos os processos foi o primeiro a vir com dúvidas logo aproveitadas pelos Diabos e diabretes da praça.

Esta justiça que se expõe na praça, discutindo de forma miserável os seus próprios truques, os mesmos truques que aliviam culpados e podem ajudar a tramar inocentes, é um motivo de vergonha para a democracia. Toda esta gente é naturalmente ridícula, mas também é naturalmente perigosa para a democracia e as suas instituições, a começar pela Justiça.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/10/naturalmente-ridiculos-e-perigosos.html

AGORA QUE SOUBERAM DEU-LHES PARA CHORAR - 17Out2018 13:14:00



Três imbecis chorando de riso [Expresso] que agora devem estar a chorar de gosto


Estávamos em Dezembro de 2015, para ser mais preciso era dia dois, uma quinta-feira, Mário Centeno, um ministro sem qualquer experiência política anterior, um doutorado em Harvard com uma longa carreira no Banco de Portugal, ia falar pela primeira vez na Assembleia da República. Um pobre diabo hoje promovido a catedrático, que fez uma vida à custa da política e de um emprego dado por um padrinho político montou a encenação do rir até às lágrimas.

Tudo bem montado, vale a pena reler a notícia do Expresso para vermos com alguns inúteis se fartaram de rir até às lágrimas, pensado estarem a gozar com um pacóvio sem experiência nas pulhices das jotas. Imagino que esses mesmos andem agora a chorar pelos campos pois se vivessem em Las Vegas estariam a esta hora a fazer queixas do Mário Centeno. Não sabiam na altura que o choro do riso iria dar num choro de vontade, como dizia a minha mãe quando achava que estava a fazer uma encenação.

O diabo não veio e o país teve quatro anos de estabilidade política, financeira e social, quatro anos sem o credo na boca, sem ter de aturar o Vítor Gaspar e fazer de conta que a Maria Luís era uma grande economista. Aquele de quem choraram foi um dos poucos ministros das Finanças que aguentaram uma legislatura, foi o ministro das finanças português com maior projeção internacional, foi o único economista português a a liderar uma grande instituição internacional no domínio económico e escolhido pelos seus pares pelo mérito político e económico.

Mas a esquerda portuguesa deve a Mário Centeno uma outra vitória moral bem importante, ao logo de mais de um século a direita portuguesa fez passar a ideia de que só a direita consegue equilibrar as contas públicas e que tal só é possível com algum autoritarismo. Não admira que alguns ministros das Finanças da direita tenha adotado uma ?cara de pau?, sempre a imitar Salazar no elogio das origens humildes, como se a humildade ajudasse a credibilizar os tiques do autoritarismo.

Afinal é possível equilibrar o orçamento sem ser necessários recorrer à ditadura ou ao autoritarismo, sem adotar medias inconstitucionais ou, como alguém sugeriu, sem suspender a democracia durante um par de meses. É possível fazê-lo e ao mesmo tempo promover a justiça social, implementar medidas de redistribuição do rendimento e em paz social. Não há memória de um OE sem ditadura ou sem conflitos sociais e este é um legado do Centeno. É possível governar à esquerda e promover uma gestão orçamental com mais responsabilidade e competência do que a direita.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/10/agora-que-souberam-deu-lhes-para-chorar.html

O ELEITORALISMO BOM E O ELEITORALISMO DOS VELHACOS - 16Out2018 13:42:00


Andam por aí algumas virgens armadas em debutantes neste baile em que está transformado o debate político sugerindo que este OE é eleitoralista. Claro que é eleitoralista, todos os oE são elaborados a pensar em eleições e desde os tempos de Salazar e Marcelo que, felizmente, os orçamentos são eleitoralistas. Há quem prefira governos que não têm de se preocupar com a realização de eleições, mas ainda bem que esses ainda não mandam e o governo de António Costa enfrenta eleições.

Mas dizer que em Portugal um OE que prevê um défice de 0,2% não só dá vontade de rir, como são os críticos do governo que lhe estão a dar o mais poderoso dos argumentos eleitoralistas. Se um OE com aquele défice consegue margem para ter tantas medidas acusadas de eleitoralismo, então é porque o governo é mesmo bom. Dar aumentos de pensões, de vencimentos, de investimentos na saúde, de redução do custo da energia e ao mesmo tempo ter um OE é algo de muito bom, na história de Portugal deve ser considerado um milagre, desde os tempos em que acabou o ouro do Brasil que não se via nada semelhante, nem no tempo do Salazar!

Mas seria bon que estes paspalhos se lembrassem da última vez que elogiaram um governo e um orçamento elaborado a pensar em eleições, que era muita generosidade o reembolso da sobretaxa, que um défice de 3% punha a Maria Luís ao lado do Salazar no pódium dos magos das finanças. Nesse tempo cortar salários, promover despedimentos e cortar pensões eram um bom motivo para votar num governo da extrema-direita chique.

Nesse tempo essa extrema-direita chique, que agora está acoitada no Observador, não reparou que a antecipação das receitas fiscais de 2016 foi o truque usado para cumprir o défice, não sabiam que o bingo do reembolso da sobretaxa era batota eleitoral com cartas marcadas. Mas eles sabiam tão bem o que tinham montado para 2016, ano em que contavam governar e pedir um segundo resgate para poderem continuar a governar de acordo com a agenda da extrema-direita.

Quando Passos Coelho anunciou o diabo e toda a extrema-direita estava à espera que o governo caíssem sob o peso das contas públicas não falaram em OE eleitoralista, nem o OE de 2016, nem o de 2017. Agora sim, já deram pelo eleitoralismo, têm toda a razão, há um eleitoralismo bom e um eleitoralismo digno de velhacos.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/10/o-eleitoralismo-bom-e-o-eleitoralismo.html

REMODELAÇÃO POUCOCHINHA - 14Out2018 17:17:00


Há muito que se percebeu que o governo de António Costa é o Centeno e mais três ou quatro, os restantes ministros não contam para nada e o seu desempenho não vale muitos votos. Todavia, há uma mania em Portugal de que o primeiro-ministro parece ser um partidários que leva a que os governos só in extremis promovam remodelações ou mesmo a substituição de um ministro caído em desgraça.

Vimos isso com  uma ministra da Administração interna e voltámos a ver agora com o ministro da Defesa. Parece óbvio que o ministro foi alvo de uma cabala de uma direita militar que parece não olhar a meios, mas na verdade há muito que a saída do ministro era evidente. António Costa poderia ter evitado um processo dolorosos, mas opotu por fazer como já tinha feito com a ex-ministra da Administração Interna, esperou até ao limite.

Também era óbvio que com a trapalhada do INFARMED o ministro da Saúde era um elo fraco do governo, a sua comunicação tem sido desastrosa, permitindo que a direita use o argumento do desinvestimento na saúde. Mas os ministros que deveriam ser remodelados não ficam por aqui, um exemplo disso é a ministra do Mar, uma ministra muito fraquinha, que se apoia num tal Apolinário que chegou a ser o escolhido por passos Coelho para presidir à Docapesca, uma empresa por onde passam alguns negócios imobiliários muito estranhos.

António Costa poderia ter ido mais longe nesta remodelação, afastando qualquer possibilidade de voltar a mexer no governo e relançando o governo para este último ano e já a pensar na próxima legislatura. Foi uma remodelação poucochinha.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/10/remodelacao-poucochinha.html

O ORÇAMENTO DAS GORJETAS - 11Out2018 12:34:00


Desde que a discussão do aumento do salário mínimo passou a ser feito com base em aumentos em termos absolutos, com uns a propor 20? e outros a ficarem-se pelos 5?, que a moda pegou e agora todos os aumentos salariais no Estado ou os aumentos de pensões é feito com base nela lógica.

Imagino que o Mário Centeno enfrenta neste momento o mesmo dilema com que se confronta quando pede a conta num restaurante e tem de se decidir sobre o montante da gorjeta que deve dar. Receio mesmo que se sinta na obrigação de ser generoso porque não parece bem a um ministro dar ares de sovina, mas quando chega ao ministério passa a ser o contrário porque um ministro das Finanças deve ser um limão e bem azedo.

Agora querem que as pensões mínimas aumentem em 10? e andam em grandes discussões para decidirem se o aumento dos funcionários públicos será de 5? para todos ou de dez para os que ganham menos e de zero para os outros, porque são os ricaços e já lhes é dado muito. No Estado deixaram de haver carreiras, começa a parecer uma espécie de Havana.

Mas o mais grave é que os que assim tratam tantas dezenas de m ilhares de cidadãos deste país revelam um conceito de respeito pela dignidade alheia que há muito eu não via em governantes deste país. Parece que para eles um catedrático de engenharia anda ansioso por saber se o António Costa decide dar-lhe mais cinco euros por mês ou se tem de aguentar por um momento de generosidade do primeiro-ministro para o próximo orçamento.

Isto é tão miserável que andam a tratar-se os funcionários públicos como se fossem uns indigentes ansiosos por um momento de simpatia de António Costa para poderem ganhar mais cinco euros por mês. De um momento para todos somos todos gorjeteiros, olhamos todos com muita ansiedade para a mão do primeiro-ministro para percebermos se ele tira uma nota de cinco euros ou se vai ao porta-moedas e se fica por uma gorjeta de dois euros.


Enfermeiros, motoristas, engenheiros, cirurgiões que fazem transplantes de coração, catedráticos de astrofísica, economistas, comandantes de fragatas, pilotos de caças, polícias, magistrados, estamos todos em grande ansiedade porque ainda não sabemos se vamos receber uma gorjeta de cinco euros ou se vamos ter de esperar ansiosamente durante mais um ano para recebermos tão preciosa gorjeta. Já não sei o que é pior, se andar há uma década a ser desvalorizado financeiramente ou a ser cada vez mais ofendido na dignidade.


Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/10/o-orcamento-das-gorjetas.html

UM MAJOR MUITO HONRADO - 05Out2018 12:51:00


Há um major do Exército que no exercício das suas funções aceitou ?perdoar? a um ladrão que assaltou um paiol militar tirando proveito do roubo, trocando o encobrimento por uma suposta operação bem sucedida de uma polícia de investigação onde era um responsável ao mais alto nível. Isto é, este oficial do Exército obteve benefícios a troco de um favor criminoso e gora é apresentado por um conhecido advogado da praça como um ?homem honrado?.

O oficial percebeu o que lhe poderia suceder, sem poder fugir optou por se entregar e falou que se desunhou, certamente a pensar numa estratégia de defesa há muito elaborada e isso fez de um militar sem princípios num oficial honrado, tão honrando que a sua estratégia de defesa é agora notícia no Expresso como verdade absoluta, uma verdade tão absoluta como era a recondução de Joana Marques Vidal que o mesmo jornal anunciou há duas semanas atrás.

Há aqui uma inversão de valores inaceitável, o oficial honrado, em conluio com o militar que chefiava a Polícia Judiciária Militar, aceitou que um ladrão e traficante de armamento ficasse livre para fazer outros roubos de material militar, tudo para de uma forma corrupta promoverem a sua polícia e agora são apresentados como militares honrados que tudo fizeram porque julgavam estar a fazer o que era do interesse da nação.

É preciso muita lata para vermos ilustres advogados e diretores de jornais  a defenderem uma direita militar que se dá ao luxo destas golpadas e que na hora de montarem as suas defesas são espertalhaço suficientes para tentarem envolver governantes. Os mesmos desajeitados e incompetentes que montaram uma fantochada e foram apanhados pela PJ, são agora militares muito honrados cuja estratégia de defesa assenta em verdades inquestionáveis e até o advogado ameaça tornar públicas as declarações se a honra do tal militar for posto em causa.

Nesta pantominice vergonhosa há quem acredite que estes mentirosos são agora arguidos muitos honrados e honestos.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/10/um-major-muito-honrado.html

POBRE ALMA - 28Set2018 10:41:00

Se Cavaco Silva estivesse à beira de terminar um mandato presidencial pediríamos que alguém ajudasse esta pobre alma a terminar o mandato com dignidade, mas como já não passa de um mero condómino da Quinta da Coelho iremos que é pena que não saiba proteger a sua dignidade na reta final do seu mandato existencial. É uma pena.

O homem não ficou satisfeito por ter sido o pior Presidente da República, quer ser também o pior ex-presidente e não foi necessário muito para merecer mais um título vergonhoso, bastaram duas aparições em público, desta vez para fazer uma figura triste, tão triste que deu pena ver um senhor da idade dele a fazê-la.

Mas o homem parece que se consome em ódio, passados quase quatro anos ainda não digeriu o governo e o seu fel é tanto que não resistiu a usar o termo geringonça como alcunha depreciativa ara se referir ao Governo da República que ele próprio empossou.

Resta-nos a esperança de que se retire definitivamente, que não volte a dar motivos de vergonha com intervenções descabeladas, motivadas por mais sentimentos. 


Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/09/pobre-alma.html

MARQUES PORQUE MENTES? - 24Set2018 17:02:00


Quando se esperava que Marques  Mendes viesse explicar as razões porque inventou uma mentira ao anunciar, no passado domingo no seu tempo antena n SIC, porque enganou os espectadores aquela televisão, assegurando que Joana Marques Vidal seria reconduzida, o comentador deu uma cambalhota e perguntou se era para manter a mesma política porque motivo se mudou a Procuradora-geral.

Já que Marques Mendes não percebeu vamos explicar-lhe como se explica a uma criança de quatro anos:
  • Antes demais porque em quem nomeia o Procurador-Geral da República não é nem o Marques Mendes nem o Ricardo Costa, é o Presidente da República sob proposta do primeiro-ministro.
  • Em segundo lugar porque por enquanto ainda não são os membros do Conselho d Estado que decidem pelo Presidente da República e é lamentável que um conselheiro d Estado vá para uma televisão dizer mentiras para condicionar o presidente da República.
  • Em terceiro lugar, porque nem tudo o que sucedeu durante o mandato de Joana Marques Vidal é para continuar, designadamente o regabofe das violações do segredo de justiça.
  • Em quarto lugar porque no mandato de Joana Marques Vidal e apesar da sua orientação ser para manter, sucederam coisas vergonhosas que nunca mais se deverão repetir, como a busca ao gabinete do ministro das Finanças, com base num inquérito da treta aberto a partir de uma notícia de televisão de origem duvidosa.
  • Em quinto lugar porque o sucesso de Joana Marques Vidal, avaliado com base nas sentenças e não nas notícias promovidas pelas violações do segredo de justiça está por fazer.

 Em quinto lugar porque o cargo não é vitalício.

Em sexto lugar porque nem todos os grandes foram incomodados pela justiça, veja-se o exemplo de um conhecido político cujo nome foi muito referido no caso dos Vistos Gold, mas que não chegou a ser incomodado, ao contrário



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/09/marques-porque-mentes.html

A MUDANÇA NA JUSTIÇA - 21Set2018 10:58:00


Num país onde o Presidente da Repúblico só o pode ser durante o máximo de 10 anos, sendo eleito pelos cidadãos, houve quem imaginasse que a PGR podia ficar a título vitalício e quando a senhora chegasse aos 70 ainda se lembrariam de exigir uma lei para que pudesse ficar até aos 90 anos. As pressões para a recondução incondicional da ainda Procuradora-Geral chegaram a um nível quase pornográfico, a SIC/Expresso levou a pressão ao extremo e  azia até lhes dar para perguntar aos telespectadores da SIC Notícias se concordam com os argumentos para ser substituída.

Compreende-se este desespero de algumas personagens do jornalismo, nunca tiv eram tanto poder como tiveram durante o mandato de Joana Marques Cabral. A Justiça trabalhou para a imagem nos jornais a comunicação social e esta recebia em troca informação que lhe permitia vender publicidae com um povo pregado à televisão para saber em que dia o Presidente da República seria preso.

O regabofe noticioso em que se transformou a justiça portuguesa transformou o MP em juízes da praça pública e os jornalistas em testemunhas e advogados de acusação. Os julgamentos deixaram de ser feitos nos tribunais para que fossem feitos nas redações dos jornais e televisões. Digamos que os julgamentos passaram a ter duas de mão, a primeira era dada na comunicação social, a segunda, se houvesse matéria para acusar, era feita nos tribunal.

Mas desiludam-se os que imaginam que algo mudou na justiça portuguesa ou que a Joana Marques Vidal é uma prima portuguesa da Joana d?Arc. A verdade é que o papel de um Procurador-Geral é mais o de deixar ou não fazer do que o de fazer, isto é, a não ser que hajam mais mudanças no MP tudo vai continuar a mesma e a atual Procuradora-Geral vai ser atacada pelos mesmos que atacaram o antecessor da ainda procuradora-Geral.

É óbvio que não podemos voltar ao MP dos tempos de Cavaco Silva, quando em Portugal os únicos criminosos eram os ladrões dos super-mercados, mas também é preciso acabar com um ambiente onde parece que todos os portugueses são culpados á nascença e quando atingem a idade em que são criminalmente imputáveis são obrigados a provar a inocência.

A justiça mudou, mas não mudou os 180º que muitos imaginam, digamos que mudou 5% e esperemos que seja para melhor.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/09/a-mudanca-na-justica.html

DE SINDICALISTA A DIRIGENTE DESPORTIVO - 12Set2018 09:52:00


Ia caindo de cu quando vi que um dos magistrados que foram eleitos para os órgãos dirigentes do SCP era o nosso incansável e inenarrável Palma, uma personagem muito conhecido na democracia portuguesa e que teve uma intervenção ativa na política portuguesa, à frente de um sindicato que chegou a ser patrocinado pelo Dono Disto Tudo.

Explica o inenarrável Palma que a sua presença na liderança do clube era uma espécie de garantia de justiça, como se Alvalade fosse uma espécie de Boa Hora. Sejamos honestos e esqueçamos essa treta da verdade desportiva, do ecletismo e de outras coisas, na perspetiva de um qualquer burro, pouco importando se mirandês ou branco, o que cheia ali para os lados de Alvalade, como cheira na Luz ou nas Antas, é a palha, a muito e boa palha, uma palha saborosa e nutritiva que atrai notáveis com o mesmo poder que a merda atrai as moscas.

A presença de magistrados nos clubes é uma vergonha para os clubes e para a magistratura, pouco importa se estão jubilados porque eles até com demência continuam magistrados e por isso até têm direito a subsídio de residência, não vá o tribunal fica longe de casa. Não há como explicar a sua utilidade a não ser que sirvam para influenciar, já que para julgar ou acusar o Bruno de Carvalho qualquer oficial de justiça serviria.

Como explica que num país com tão poucos juízes, onde os processos se arrastam por décadas exista uma tal concentração de magistrados por metro quadrado? Num tempo em que os clubes tentam destruir os adversários nos tribunais porque não o conseguem fazer nos relvados, mandaria o bom senso que os juízes ficassem longe da mesa dos rissóis da bancada central.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/09/de-sindicalista-dirigente-desportivo.html

CRIME IMAGINÁRIO - 07Set2018 11:31:00


Quando, na minha infância, a minha mãe exercia a justiça em processos sumários e cometia um erro judiciário, dando-me uma palmada injusta, quando contestada porque eu não tinha feito nada, assumia aquele ar sério do supre juiz e respondia invariavelmente que aquela palmada ficava por conta das que não tinha levado por outras traquinices nas quais não tinha sido apanhado.

Isso significava que na justiça materna o julgamento, condenação e pena não era apenas para o fez, mas também para o pode ter feito, o poderia ter feito, o tinha condições para fazer e o se não fez tivesse feito. Se dantes eram preciso provas do crime parece que agora pode-se ser condenado pelas provas, mesmo que não tenha havido crime ou provas do crime.

Segundo esta lógica se alguém for apanhado com um canivete suíço corre um sério risco de ser condenado a uma multiplicidade de crimes e ao consequente cúmulo jurídico. Ter tal canivete no bolso é motivo para condenação por homicídio na forma tentada (e se não tentou podia ter tentado), assalto à mão armada, roubo de garrafas de vinho e mais alguns crimes menores.

Parece ser o resultado lógico da técnica do arrastão, sem em vez de ser um crime a desencadear a investigação, esta é feita porque alguém tem cara de ser criminoso ou porque dava jeito que o fosse organiza-se um arrastão ao clube, à empresa ou ao gabinete do ministro. Não se procuram provas de um crime que foi cometido, na melhor das hipóteses usa-se esse argumento para que se recolha algo que possa servir de prova-a de um qualquer crime. Encontra-se a suposta prova e depois a imaginação criativa do magistrado faz o resto.

Dantes o ónus da prova era da acusação e havia o pressuposto de que havia um criem, agora a acusação pode assentar num crime imaginário e o arguido tem de provar que não cometeu um crime produzido por um magistrado com vocação para guionista de cinema de cordel. A partir de agora a posse do que quer que seja utilizável ou resultado de um crime é prova desse crime, se há faca houve homicídio, se há dinheiro houve roubo.

Depois de ter falhado o enriquecimento ilícito e de recusados os tão elogiados métodos da justiça portuguesa, parece que há quem tenha criado a justiça criativa, o crime imaginário passou a ser condenável. Um dia destes teremos cadeias cheias de criminosos imaginários, perigosos delinquentes condenados por não terem conseguido provar que eram inocentes nos crimes imaginários de que foram acusados.  Por este andar um dia destes o Centro de Estudos Judiciários passa a funcionar numa escola de artes e o laboratório de polícia parece a oficina de um aderecista. 


Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/09/crime-imaginario.html

MEDALHAS - 06Set2018 12:47:00


Segundo o Ministério Público o Benfica terá obtido resultados graças à violação do segredo de justiça. Se levarmos a acusação a sério, bem como aquilo que por aí se diz, só com o Caso Marquês haveria na justiça quem tivesse mais medalhas olímpicas do que o Michael Phelps. Aliás, se as violações do segredo de justiça servissem para favores nas competições olímpicas, com tanto doping que escorre nas nossas redacções Portugal teria ocupado o lugar de destaque que foi deixado vago pela extinta RDA.

O curioso é que depois de termos ouvido a Maria José Morgado vir dizer que não usava o Citius e tranquilizar-nos porque os magistrados não colocavam os processos mais importantes no sistema, por não confiarem nele, eis ficamos a saber que para azar do Benfica os magistrados do caso dos e-mails confiavam no Citius. Enfim, é mesmo um azar dos Távoras e agora, por causa de umas camisolas, alguns magistrados propõem que um dos maiores clubes do mundo seja destruído.

Tudo isto acontece a poucos dias de o governo tomar uma decisão sobre quem será a personalidade a ficar com o cargo que nos últimos anos se tornou o mais poderoso do país, um cargo cujo titular pode levar à prisão de ex-governantes e até mesmo à perseguição de presidentes estrangeiros. O mais curioso é que há quem defenda que é precisamente porque o cargo ganhou esta dimensão política que a actual procuradora seja reconduzida.

Acontece que estes deviam ser os melhores argumentos para não reconduzir alguém. Se durante um mandato de um Procurador-Geral for destruída a democracia esse mesmo procurador pode sentir-se tentado a pensar que não só é ele que decide quem pode governar como pode escolher quem governa. Mandaria o bom senso que qualquer nome que suscitasse tantos apoios de um mesmo sector político deve ser excluído da escolha para tal cargo.

Reconduzir a actual procuradora-geral ou nomear para o cargo algum dos seus braços direitos seria mau para a democracia.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/09/medalhas.html

ERA DE ESPERAR - 05Set2018 13:20:00


Um dos piores argumentos em favor da recondução de um Procurador-Geral da República é o de que se meteu com os poderosos, ainda que até agora pouco mais tenha sido julgado do que uma caixa de robalos. É a mesma coisa que elogiar os resultados do fisco com base nas correcções que foram exigidas, em vez de contabilizar a receita efectivamente usada.

Corre-se um sério risco de que a justiça passe a trabalhar em função da fotografia, com os seus dirigentes a gerirem o sistema com o objectivo de conseguirem muitas notícias envolvendo políticos de topo. Se ainda por cima o sucesso é medido pelas acusações ou mesmo pelas investigações, muito antes de qualquer caso ir a julgamento há um sério risco de assistirmos a um regabofe de prisões.

Outro subproduto deste modelo é a violação sistemática do segredo de justiça, já que quem quer dar nas vistas na comunicação social quer que esta saiba de tudo, em vez de se manter o segredo faz-se o que se pode e o que não se pode para que nada fique em segredo.

Estando para breve a nomeação do Procurador-Geral da República, a única entidade que não podendo ser julgada, avaliada ou condenada pode mandar prender todos os políticos, era de esperar que o espectáculo noticioso fosse alimentado e mal acabou o mês de Agosto foi o que se viu, iam levando o Benfica ao Mário Alexandre para que este metesse o Estádio da Luz no Estabelecimento Prisional de Lisboa.

Mas não deixa de ser estranho que uma conhecida procuradora-geral adjunta tenha ido ao prós e contras assegurar que os principais processos estavam a salvo de toupeiras, porque os magistrados desconfiam, do Citius e não os usam nestes processos, para pouco tempo depois ser produzida uma acusação que assegura precisamente o contrário. Há aqui algo de errado.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/09/era-de-esperar.html

SILLY SEASON - 04Set2018 11:39:00


Para além das críticas aos opositores internos do PS recorda-se de mais alguma declaração feita pelo líder do PSD na última Festa do Ponta? E sabe onde se realizou a festa?

Sabe qual o nome do secretário-geral do PSD, o homem que se declarou um transmontano, como certificado de qualidade, tendo substituído um outro que tinha emprenhado o currículo académico?

Sabe se António Costa está neste momento em férias ou trabalhando?

São muito poucos os portugueses que neste momento conseguem responder a estas perguntas que em contextos políticos anteriores muitos teriam a resposta na ponta da língua. Mas se alguém perguntar que declarações fizeram os vários candidatos à liderança do Sporting ou quais as últimas declarações de Bruno de Carvalho no seu Facebook, quase podemos apostar que teremos melhor sorte.

Fartos da crise financeira, do ambiente de terror que nos foi imposto pelas sucessivas ameaças de pior por Passos Coelho e Paulo Portas muitos portugueses preferem acompanhar a telenovela do Sporting do que ouvir o Rui Rio, considerando que o poder está bem entregue a Costa, enquanto Marcelo vai de férias para a Praia dos Tomates, para depois ir dar uns mergulhos para promover as praias fluviais de que nunca foi cliente.

Ou porque Rui Rio nada diz, ou porque as pessoas ainda pensam que é o autarca do Porto que tudo queria só para a sua cidade que está falando ou porque consideram que é mais útil prestar atenção ao diz o Ricciardi, o Dias Ferreira ou o Varandas, até mesmo o Octávio do que prestar atenção às propostas do PSD, a verdade é que a silly season parece estar a acompanhar a mudança climática, talvez do clima político morno, e veio  para ficar.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/09/silly-season.html


VOLTAR A FALAR DE INCÊNDIOS - 24Jul2018 10:51:00


Agora que até a Suécia arde talvez mereça a pena rebobinar o nosso filme e regressar aos acontecimentos do ano passado, aos incêndios ocorridos em junho e mais tarde em outubro. Será que na Suécia ou na Grécia os políticos e jornalistas seguem o modelo a que assistimos em Portugal?

Porque acontece longe talvez a reflexão esteja menos contaminada e seja mais séria, os políticos pensam em soluções e o cidadão comum esqueça os velhos culpados do costume. Há um fenómeno que não é novo e que se tem agravado ao longo das últimas décadas. No caso da Suécia poderemos estar perante um acaso meteorológico, mas aquilo a que assistimos na Grécia não difere muitos nas causas e características do que já vimos em Portugal e que podemos ver a qualquer momento em países do sul da Europa.

Nas últimas décadas e principalmente a partir do momento em que a União Europeia começou a desmantelar a Política Agrícola Comum, temos vindo a assistir a profundas alterações na utilização dos solos. Muitos solos onde a agricultura era rentável por força do sistema de preços agrícolas estão abandonados ou convertidos em floresta. Tudo sucedeu sem critério e sem que o desmantelamento da PAC tivesse dado lugar a políticas florestais.

A busca do conforto de segundas habitações rodeadas de árvores, a falta de rentabilidade de muitas florestas que inviabilizam a sua limpeza e as mudanças climáticas fizeram o resto. Há um problema no sul da Europa que só será resolvido quando abordado com seriedade e sem oportunismos políticos. Quando for alvo de uma reflexão séria, sem prazos ou agendas populistas.


Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/07/voltar-falar-de-incendios.html

MANHAS E BABOSEIRAS - 20Jul2018 11:21:00


Alguns partidos têm vindo a desenvolver truques para alimentaram o seu próprio argumentário político, fazem propostas no parlamento sabendo que não serão ou não podem ser aceites par depois usarem isso como acusação grave contra o governo.

O primeiro partido a recorrer a este estratagema de autoalimentação do seu próprio cardápio político acusatório foi a Assunção Cristas, faz propostas orçamentais inviáveis para depois vir dizer que o governo não lhe aceita uma única ideia. O PCP e o BE, que nestas coisas parece aprender depressa, têm vindo a usar esta estratégia.

A última rasteira montada foi a proposta de eliminar as portagens da Via do Infante e a rápida requalificação da EN125. Obviamente nada disto se resolve desta forma e o objetivo do PCP não era resolver problemas mas sim conseguirem um voto negativo para depois irem para o Algarve mostrar como resolviam os problemas de uma penada, mas o governo não deixa.

Isto não é política séria, são truques e manhas de gente que tem pouco respeito pela inteligência dos portugueses. Se os problemas do país fossem resolvidos de uma penada, como votos da treta no parlamento que bom que era. Fazia-se uma sessão parlamentar sem hora de encerramento e de uma única vez resolviam-se os problemas, até se aprovava a criação de uma praia na Messejana e outra na Amareleja.

O truque funciona, faz-se a proposta, um qualquer deputado Sá corre para os jornais e depois centenas de militantes entopem o Facebook com a denúncia dos que não querem o progresso. Como isto é um imenso Portugal dos pequeninos, os militantes locais já estão a montar ratoeiras idênticas nas assembleias municipais.

O debate político no país é cada vez menos sério e em vez de servir para resolver os problemas das populações servem para o Jerónimo, a Catarina Martins ou a Cristas terem antena para dizerem umas baboseiras eleitoralistas.


Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/07/manhas-e-baboseiras.html

NÃO HÁ DINHEIRO - 19Jul2018 13:59:00

Quem quer saber qual o argumentário da direita vai ao Observador e lê os artigos dos ideólogos da extrema-direita chique, o prato da época é sugerir que não há dinheiro. Primeiro vinha o diabo, depois que havia austeridade, agora sugerem que não há dinheiro.

Confesso que começo a ter pouca paciência e a começar a ter vontade de chamar os bois pelos nomes. Mas há algum idiota que julgue que a não ser no tempo do Cavaco Silva, quando choviam ecus em Portugal, alguma vez houve fartura de dinheiro em Portugal? Que me recorde a única pessoa que tentou alegrar os portugueses anunciando a fartura foi uma rapariga que reparou na recuperação económica pelo aumento das filas de trânsito e que a determinada altura informou o país de que tinha os cofres cheios.

Quando um governo é mais rigoroso em termos orçamentais e reduz o défice tem necessariamente que ser mais rigoroso. É hipocrisia vir dizer que não há dinheiro ou, como outros que se dizem mais à esquerda, culpar a falta de meios nos hospitais porque um país paga o que deve. Isto chega a ser ridículo, aqueles que defendem que o Estado deve pedir emprestado para investir naquelas que arvoram como suas causas, acham que esse aumento da despesa deve ser financiado pelo não pagamento de dívidas que foram feitas com o mesmo objetivo. Sejamos sérios.

Quer a extrema-direita chique, quer a esquerda conservadora estão a perder o tino, produzindo argumentos que só merecem uma gargalhada.


Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/07/nao-ha-dinheiro.html

SER DESONESTO - 18Jul2018 13:43:00


«As redes sociais (sempre as redes sociais) inflamaram-se quando alguém partilhou uma imagem do deputado comunista António Filipe na sala de espera de um hospital privado. Como é costume, indignaram-se mal. O problema não é um comunista ir a uma instituição privada, até porque ele terá seguramente acordos com a ADSE, o sistema de saúde dos funcionários do Estado. O problema é apenas uma pequena parte dos portugueses ? esses que beneficiam da ADSE ? terem aquilo de que António Filipe poderia estar a tirar partido: escolherem o médico a que vão. Os demais ou têm dinheiro para o pagar, ou estão condenados ao SNS.» [Observador]

José Manuel Fernandes, um conhecido ideólogo da direita que adquiriu os valores éticos na escola do Voz do Povo começa um dos seus artigos no Observador com um parágrafo que só pode ter uma leitura, falta de honestidade. Como é que o JMF sabe que um deputado do PCP só pode estar numa sala de espera de um hospital privado, com base numa fotografia tirada de forma insidiosa? Quem lhe garante que o deputado aguarda uma consulta? Quem lhe disse que o deputado é ou não beneficiário da ADSE? Porque acha que o deputado não pode ter um seguro de saúde.

A extrema-direita não se perde de amores pela honestidade intelectual, prefere a insinuação e a manipulação, algo que não é muito grave pois os seus admiradores pensam da mesma forma e darão por verdadeiras as suas insinuações. Como é comunista não devia estar num hosspital privado, mas como é um burguês consegue lá estar graças à ADSE que é paga pelos pobres que vão ao SNS. É esta a insinuação porca que este ideólogo pretende passar aos mais imbecis ou aos que são voluntariamente imbecis.

Outra insinuação que só revela falta de honestidade é o chorrilho de asneiras que o JMF diz da ADSE, com base em pressupostos que ele sabe serem falsos. Estará esta pobre criatura esquecida do que se disse e escreveu sobre o aumento das comparticipações dos funcionários que aderiram à ADSE? Desconhece esta criatura que foi notícia na comunicação social que a ADSE tinha um balanço positivo? Ignora este senhor que quando um cidadão beneficiário de um sistema privado de saúde, que paga do seu bolso, seja a ADSE ou um seguro de saúde, na prática alivia o SNS dos custos dos seus tratamentos?

É óbvio que este ideólogo de uma certa extrema-direita chique, que dá ares de grande categoria intelectual, sabe disto e muito mais. Mas acima de tudo sabem usar a mentira, a insinuação e a manipulação.


Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/07/ser-desonesto.html

JOÃO SEMEDO - 17Jul2018 13:22:00


Não gostava especialmente dele mas admirada a sua coerência, sempre defendeu as suas ideias de forma tenaz e austera, sem espetáculo, sem se aproveitar dos momentos de cada agenda. Não trabalhava para likes ou selfies, defendia o seu programa e em especial o seu SNS, fê-lo até ao fim, mesmo quando sabia que seria a última coisa para a qual tinha forças.

Não sou dado a funerais e obituários, não costumo evocar falecidos, deixando a tarefa a amigos e companheiros. Mas neste caso abro uma exceção, porque o homem que morreu merece a homenagem que os honestos merecem, dedicou-se às suas causas, algumas delas eram nossas, outras não, mas pelo a pensar no bem público.

No mesmo jornal onde onde dou de caras com a notícia da sua morte ficou a saber que os que ajudaram Oliveira e Costa a empurrar o país para o primeiro buraco que foi o lodaçal da nossa crise financeira, ganham mais do que um Presidente da República e para ganharem mais de 12.000? apenas têm que fazer nada, isto é, são pagos para gozar com os portugueses e, em especial, com os mais pobres, aqueles de quem Passos Coelho dizia que tinham cometido o pecado da gula, algo que pessoas como o Vítor Bento se apressaram a dar forma de teoria económica.

São dois países diferentes, o país onde se debate ideias e se luta pelo bem comum, independentemente de se ser da direita ou da esquerda e o país da fussanguice do enriquecimento fácil do Porshe Cayenne para mostrar à vizinhança, da casa na Quinta do Lago, do fato do Rosa & Teixeira ou das festas nas praias algarvias.

Hoje, mais uma vez como sucede quase sempre neste país, ganharam os segundos.


Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/07/joao-semedo.html

DEIXEM-NOS IR A BANHOS NUM AMBIENTE DE TRANQUILIDADE PÚBLICA sff - 16Jul2018 12:31:00


A letargia da época foi interrompida no passado sábado, com a notícia do Expresso que dava conta de um relatório do MP onde se dizia que uma parte do equipamento militar que terá sido roubado em Tancos ainda não tinha sido recuperado, podendo ser usado em ataques terroristas, assaltos a caixas ATM e outras maldades merecedoras de medo por parte da população.

O alarme público foi tal que a Presidência da República se apressou a informar que o ?Presidente da República reafirma, de modo ainda mais incisivo e preocupado, a exigência de esclarecimento cabal do ocorrido com armamento em Tancos.?.  a notícia já nos tinha deixado a tiritar de medo, o comunicado presidencial deixou-nos preocupados, perante tantos perigos o Presidente parece estar mais preocupado com apuramentos de verdade do que com os riscos. EM vez de tranquilizar, o comunicado presidencial atira achas para a fogueira do alarme público.

Mas se pensarmos um pouco, talvez não seja de nos assustarmos muito. É óbvio que uma arma pode ser usada num atentado, num assalto ou mesmo num crime de violência doméstica e por aquilo que se vai ouvindo nas notícias não são as armas de Tancos que vão inundar o nosso mercado.

Que se saiba, não foi por falta de uns cartuxos de explosivos que até aqui não ocorreram assaltos a caixas multibanco, se tudo o que é utilizado para fazer explodir uma caixa ATM merecesse um alarme público teríamos de pensar na apreensão da garrafas de gás, para não referir os adubos e produtos químicos que podem ser comprados livremente e com os quais qualquer amador produz um explosivo.

Pensar que é o resultado do roubo a Tancos, do qual há quem sugira que nem terá ocorrido, que aumenta o risco de atentados só merece uma gargalhada. Os terroristas que atacaram em França não usaram pistolas, usaram espingardas de assalto AK47, quem nem sequer foram adquiridas em França. Aliás, nenhum atentado na Europa foi realizado com pistolas de 9mm e só um terroristas desastrado recorreria a pistolas, já que as únicas metralhadoras que usam estas munições são as velhinhas FBP ou a Lusa, produzida mais recentemente para as forças policiais. Os terroristas preferem as Ak 47.

Enfim, deixem-nos ir para banhos tranquilamente, já que não ocorreram incêndios, nenhum quartel foi assaltado, ninguém morreu numa urgência, nenhum hospital foi atingido pela legionela, vamos aproveitar algumas abertas no mau tempo e dar uns mergulhinhos e os senhores do MP que façam o mesmo, para refrescar ideias, porque depois das férias judiciais vem aí um novo Procurador-Geral.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/07/deixem-nos-ir-banhos-num-ambiente-de.html

AREJAR COM CHEIRO A BAFIO - 13Jul2018 12:59:00


Pedro Santana Lopes foi a uma conferência de amigos da direita e no fim, quando questionado sobre se ia sair dali o seu novo partido, esclareceu que o que pretendia era arejar a política portuguesa. Isto é, para o enfant terrible que já tem idade para ter juízo ele próprio é uma espécie de ar fresco e por onde passa vai arejando o ambiente.

Se é com arejamento destes o melhor é perguntar ao Rei de Espanha se não quer trocar a Catalunha por Portugal, até porque por aqui somos bem mais simpáticos do que para os lados do Messi. Haja seriedade, Pedro Santana Lopes não é, nem alguma vez foi um ar fresco para a política portuguesa. Esteve duas vezes no governo e que me recorde não senti qualquer brisa vinda do seu lado, lembro-me do Bagão Félix, do Mexia, do Gomes da Silva, de ele ser secretário de Estado de Cavaco Silva, tudo frescura?

Se Pedro Santana Lopes quer refrescar a política deve fazer o que fazem as pessoas quando percebem que as novas gerações trazem ideias novas, projetos mais modernos, maior capacidade de trabalho, mais frescura mental e melhores valores.

Não consigo encontrar outra forma de Santana Lopes refrescar a política do que retirando-se, dando lugar a uma geração que vale mais do que ele demonstrou ao longo da sua vida política e empresarial.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/07/arejar-com-cheiro-bafio.html

MEXER NA CACA - 11Jul2018 14:28:00


A justiça portuguesa depois de esgotado o filão dos políticos e perante o desastre que foi o arrastão no gabinete do ministro das Finanças foi em busca de grandiosas primeiras páginas no meio do futebol. Compreende-se, estando a justiça em ambiente de campanha eleitoral com a escolha do futuro Procurador-Geral é natural que estejamos a assistir a muitos ?comícios? da justiça, tudo servindo para deter e prender a torto e a direito.

O problema é que mexer no mundo do futebol é como mexer na caca, correndo um sério risco de entrar num domínio onde a isenção pode faltar. Todos sabemos que anda por aí muita gente que prefere trair o conjugue a trair o clube de futebol. É fácil escolher um magistrado para investigar um político, basta fazer a escolha por sorteio, mas escolher um investigador para um caso de futebol não deve ser fácil.

Há uns tempos o Bruno de Carvalho apelava à militância dos sportinguistas e certamente não estava pedindo para orem ver os jogos já que o estádio enchia. O que ele pedia era que cada sportinguista fosse militante do seu clube no seu dia a dia e da mesma forma que proibia o vermelho em Alcochete parecia querer desencadear uma guerra santa, numa ocasião em que a comunicação social era abalada quase diariamente com novos processos judiciais.

A confusão instala-se e não faltam sugestões em relação a quem terá conseguido os famosos e-mails. Daqui a um regabofe judicial foi um passo, cada carta anónima deu lugar a mais uma grandiosa investigação e agora a justiça está enterrada em processos para todos os gostos. Alguém queria lenha e arrisca-se a sair queimado, o pior que se podia fazer era dar nas vistas mexendo em caca.



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/07/mexer-na-caca.html

O AZAR DA OPOSIÇÃO - 10Jul2018 14:25:00




Com o salvamento das crianças tailandesas a Judite pode voltar a Lisboa e ir para o cabeleireiro restaurar a cabeleira, o país vai para férias e já pode esperar pela final do mundial de forma tranquila, ainda que incomodado de vez em quando com as pequenas chantagens da pequena Catarina Martins que, curiosamente, tem andado com o penteado mais cuidado do que a Judite Sousa.

Os meses de junho e de julho não foram grande coisa para a oposição, os putos tailandeses deram cabo da manobra do simulador do ISP montado pela Assunção, o pobre do Rio quase emergiu na gruta e o Marcelo só é vedeta porque o WhattApp foi invadido por piadas sobre o seu papel no salvamento das crianças.

Agora que as nossas oposições afiavam os dentinhos na esperança de algum incêndio lhes permitir dizer que o governo tinha voltado a falhar no combate aos incêndios, tiveram o Azar dos Távoras e nada ardeu, ainda por cima as televisões desviaram as atenções para bem longe do mundo.

O António Costa lá vai passeando perante uma oposição que se vai afundando na falta de motivos, quando se aposta tudo em organizar espetáculos para a televisão pode-se ter o azar de serem as televisões a trocarem-nos as voltas.


Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/07/o-azar-da-oposicao.html

UM PAÍS DE ESPECIALISTAS - 09Jul2018 16:48:00


O que mais impressiona na operação de resgate das crianças que ficaram encurraladas na gruta da Tailândia é a quantidade de especialistas de que Portugal dispões neste domínio. Em poucos dias já me sinto um psicólogo, aprendi a nadar e a mergulhar e sou um grande especialista neste tipo de operações

A quantidade de especialistas que alimentam horas e horas nos canais de informação e até um antigo diretor da ASAE se revela um reputado especialista em operações de salvamento em grutas, pela forma como o ouvi falar para além de uma licenciatura em proteção civil parece ter feito um estágio nos Seals.

Até admira que não tenhamos enviado especialistas para o local, tendo ficado pela Judite Sousa que no primeiro dia apareceu um pouco despenteada, mas ao segundo dia já tinha conseguido salvar o penteado. As crianças que se cuidem, antes de comerem o frango frito ainda vão ter que tirar umas fotos com o Marcelo!



Fonte: http://jumento.blogspot.com/2018/07/um-pais-de-especialistas.html